Réu na Quadro Negro e “braço-direito” de Plauto é exonerado do cargo na Assembleia Legislativa do Paraná

joao ney e plauto
João Ney Marçal Junior é exonerado de cargo na Alep. Joao Ney foi secretário de Planejamento da prefeitura de Ponta Grossa e réu na Quadro Negro. (foto: Alep)

Pegou mal na última semana a nomeação de João Ney Marçal Junior, como diretor financeiro da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), pois ele é réu na Operação Quadro Negro. Esta operação investiga o desvio de mais de R$ 20 milhões de recursos da educação. Para o cargo ele recebia um salário de R$ 25.005,53.

Nesta segunda-feira (8), após a divulgação da imprensa, a Alep decidiu exonerar João Ney Marçal Junior. Mas resta saber se ele não será nomeado em outro cargo na Alep ou no governo.

Joao Ney é braço-direito do deputado Plauto Miró Guimarães Filho (DEM), que também é réu na Quadro Negro e ele possui a “proteção” também de Ademar Traiano (PSDB), presidente da Alep e que é investigado na Quadro Negro.

João Ney Marçal Júnior foi nomeado na Alep, na legislatura passada, por meio do deputado Plauto Miró Guimarães Filho (DEM), que também é réu na Operação Quadro Negro. Plauto era o primeiro-secretário da Alep e agora é o vice-presidente.

João Ney Marçal Júnior foi secretário de Planejamento da Prefeitura de Ponta Grossa, na primeira gestão do prefeito Marcelo Rangel (PSDB). A cidade também possui escolas com obras paradas por conta da Operação Quadro Negro. Quando João Ney comandava a pasta uma escola estadual chegou a ser licitada por meio da prefeitura de Ponta Grossa, algo que não é comum.

O processo tem ligação com a construção da Escola Estadual Francisco Pires Machado, no município de Ponta Grossa, reduto eleitoral de Plauto Miró. A obra, tratada como uma demanda antiga na região, seria viabilizada através de um convênio firmado no ano de 2013 entre o governo do Paraná, na gestão Beto Richa(PSDB) e a Prefeitura de Ponta Grossa, na gestão de Marcelo Rangel (PSDB). O Estado daria o dinheiro para a obra, quase R$ 4 milhões; o município doaria o terreno. Richa, por sinal, chegou a preso por esta mesma operação, mas foi solto na semana passada.

Em outubro do ano passado, junto com Plauto Miró e outros, Marçal Júnior se tornou alvo de uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa, proposta pelo Ministério Público do Estado do Paraná (MP-PR), e em trâmite na 1ª Vara da Fazenda Pública de Ponta Grossa. Ainda não há um desfecho – seja pela condenação ou pela absolvição. Marçal Júnior rejeita as acusações do MP e acredita que o caso será julgado improcedente.

Para o Jornal Gazeta do Povo, João Ney Marçal, afirmou que o MP ” faz “uma ilação, se utilizando apenas da palavra de um delator”. E alegou também que considera, “um erro vincular o caso de Ponta Grossa com a Operação Quadro Negro, já que a obra de Ponta Grossa estava sendo executada normalmente”.
“Era uma situação diferente. Acho que a Valor Construtora nem recebeu o valor do que ela executou”, disse João Ney.

Veja a exoneração:

exoneracao

Nomeação:

ney nomeacao 1

Um comentário

  1. Ou braço direito do plauto que continua mandando por lá é o diretor de pessoal, Bruno Garofani. Estamos de olho.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s