Stocco pede novamente abertura de processo de cassação do vereador Felipe Passos

Stocco quer processo de cassação contra Felipe Passos (PSDB): vereador tucano é réu em investigação de rachadinha, assédio moral e assédio sexual. (Fotos: CMPG)

O vereador Geraldo Stocco (PSB) protocolou um novo pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar Processante (CPP) para investigar o vereador Felipe Passos (PSDB), que virou réu na esfera criminal, acusado de assédio sexual, assédio moral e rachadinha.

No ano de 2021, a Câmara rejeitou a abertura de investigação do vereador Felipe Passos. Foram nove votos contrários a investigação e oito favoráveis (veja os votos no final da matéria). O primeiro pedido de investigação foi feito pelo vereador Geraldo Stocco e pela vereadora Josiane Kieras, do mandato coletivo do Psol.

Geraldo Stocco disse, nesta segunda-feira (14), ao Jornal Falado da Rádio Clube e também ao Blog da Mareli Martins, que acredita que agora o processo de investigação será aberto.

“Eu fiz novamente o pedido para abertura da comissão parlamentar processante porque o Felipe Passos virou réu mais uma vez e agora é um processo criminal. Os crimes de rachadinha, assédio moral e assédio sexual são muito graves. Eu acredito que agora os vereadores vão aceitar. Se for aberta a comissão processante, ele pode ter o mandato cassado. Acredito que os crimes são graves e mais uma vez a cidade de Ponta Grossa está numa situação vexatória, com essas atitudes do vereador. Nós temos que auxiliar a justiça na investigação”, declarou Stocco.

OUÇA A DECLARAÇÃO DE GERALDO STOCCO

O pedido de abertura da Comissão Parlamentar Processante (CPP) foi feito na última sexta-feira (11).

Veja como votaram os vereadores no ano de 2021, quando a Câmara rejeitou a investigação de Felipe Passos

Votaram contra a abertura da CPP

  • Celso Cieslak (PRTB)
  • Divo (PSD)
  • Dr. Erick (PSDB)
  • Filipe Chociai (PV)
  • Leandro Bianco (Republicanos)
  • Léo Farmacêutico (PV)
  • Missionária Adriana (SD)
  • Pastor Ezequiel (Avante)
  • Paulo Balansin (PSD)

Votaram favoráveis à abertura da CPP

  • Ede Pimentel (PSB)
  • Hadassa Ojea (PSOL)
  • Izaías Salustiano (PSB)
  • Jairton da Farmácia (DEM)
  • Joce Canto (PSC)
  • Julio Kuller (MDB)
  • Mauricio Silva (PSDB)
  • Professor Careca (PSB)

(Obs: O presidente da Câmara, Daniel Milla (PSD) não vota nessas matérias. Geraldo Stocco (PSB) e Josiane Kieras (Psol) não votaram porque são os autores do pedido da CPP e foram substituídos pelos suplentes durante a votação. Felipe Passos não votou por ser foco da CPP. E o Dr Zeca não compareceu na votação)

AS INVESTIGAÇÕES CONTRA FELIPE PASSOS

Segundo a denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR), os crimes teriam ocorrido  durante o primeiro mandato do vereador. (Foto: CMPG)

O vereador de Ponta Grossa, Felipe Passos (PSDB), viu réu novamente em processos de rachadinha e assédio sexual. Passos já é réu em uma ação civil pelos mesmos crimes. A Justiça aceitou a denúncia criminal contra o vereador.

Segundo a denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR), os crimes teriam ocorrido  durante o primeiro mandato do vereador.

Cinco pessoas que trabalhavam com ele foram ouvidas neste processo, sendo que quatro denunciaram ter sofrido assédio sexual e outros denunciaram que eram obrigados a repassar parte dos salários ao vereador, crime de rachadinha.

A Justiça designou audiência de instrução e julgamento para o dia 9 de junho de 2022, a partir das 14 horas, para serem ouvidas as testemunhas de acusação e de defesa, e após será interrogado o vereador.

Em agosto de 2021, a juíza de Direito da 2ª Vara da Fazenda Pública de Ponta Grossa, Luciana Virmond Cesar já havia aceitado a ação feita pelo Ministério Público do Paraná para a investigar o vereador Felipe Passos (PSDB) pelos crimes de rachadinha e assédio sexual. A pedido do MP-PR, houve o bloqueio de bens no valor de R$ 50 mil do vereador.

Segundo o MP, consta em diversos depoimentos de pessoas que trabalharam com o vereador relatos de exigência de valores e assédios sofridos.

Conforme a juíza, foram colhidos diversos depoimentos que podem demonstrar a prática de atos de improbidade pelo réu, seja pela suposta obtenção de o de valores indevidos ou pelo assédio aos funcionários. “Tais depoimentos somados aos demais documentos colhidos durante o Inquérito Civil são suficientes para embasar o ajuizamento desta ação, diz o trecho da decisão da juíza.

O que diz a defesa do vereador Felipe Passos

O advogado Fernando Madureira, afirmou que a denúncia não tem fundamentos. “São denúncias oriundas de perseguição política feitas por pessoas inescrupulosas que tentam prejudicar o parlamentar e acabaram induzindo em erro o nobre Promotor de Justiça. E os relatos de que o vereador assediava moral e sexualmente os servidores subordinados é um absurdo, não passando de mentiras fabricadas por pessoas que desejam tirar vantagem do vereador”, disse a defesa do vereador.

No dia 03 de junho de 2021 a Câmara de Ponta Grossa arquivou o pedido de abertura de Comissão Parlamentar Processante (CPP) contra Felipe Passos (PSDB), que poderia resultar em cassação do mandato. Foram nove votos contrários à abertura da CPP e oito voto favoráveis. A Câmara alegou falta de provas sobre as acusações contra o vereador.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s