Reajuste dos servidores volta à discussão na Alep

Crédito de imagem: Alep
Crédito de imagem: Alep

– Professores das universidades seguem em greve –

O projeto que prevê o reajuste dos servidores volta à pauta nesta segunda (22), na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Parada desde o dia 08 deste mês, a proposta foi aprovada em primeira discussão, mas a votação foi suspensa, por conta das emendas apresentadas pela bancada de Oposição, que defende o reajuste de 8,17%, de forma imediata. Desta forma, a reposição das perdas inflacionárias aconteceriam neste ano. 

Por outro lado, o projeto do governo e que foi aceito pela APP-Sindicato, possibilitando a volta às aulas, oferece o reajuste de 3,45% em outubro deste ano, referente à inflação de maio a dezembro de 2014. E no mês de janeiro de 2016, serão pagos os 8,5% relativos à inflação para 2015, com antecipação da data-base de maio para janeiro. Segundo o governo, em janeiro de 2017, os servidores terão um ganho real de 1%, para repor as perdas dos anos anteriores, mediante o Índice de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA). 

 O deputado Péricles de Mello (PT), que faz parte da bancada de Oposição, acredita que é possível uma “virada” nesta questão, mas que as dificuldades serão enormes. “Nós sabemos que o governo tem dinheiro para conceder o reajuste de 8,17 % a todos os servidores. Temos a informação de que os funcionários do Judiciário terão o reajuste de 8,17% e vamos lutar para que os demais servidores tenham o mesmo valor. É lógico que como a maioria dos deputados são da base do governo, teremos uma luta difícil. Mas vamos lutar até o final”, destacou o deputado.

 Já o deputado e presidente da Alep, Ademar Traiano (PSDB), afirma que o governo não tem condições financeiras de conceder o reajuste que  foi pleiteado pela categoria. “O governo ofertou o que pode pagar. Não podemos nos comprometer com algo que o Estado não tem como cumprir”, afirmou. Traiano também disse que os deputados da Oposição foram traídores, em relação ao que haviam se comprometido. “A Oposição quebrou acordo segundo o qual os deputados teriam se comprometido a não apresentar emendas à proposta”, disse o deputado Ademar Traiano.

 De acordo com líder do governo na Alep, deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), não é competência do Legislativo, alterar despesas do Executivo. “Essa proposta é inconstitucional. Não é nossa competência alterar orçamentos de despesas que são do governo. Essas emendas só atrasam o processo de votação. Infelizmente alguns deputados não honraram com o que se comprometeram”, disparou Romanelli.

 O deputado Péricles de Mello (PT) rebateu os argumentos do líder do governo. “Quando é para defender os servidores é sempre inconstitucional, mas quando é algo do interesse do governo a posição é outra”, disse. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s