Um ano depois do flagrante, Rocha Loures afirma que “não sabia que havia dinheiro na mala” – Loures foi assessor especial de Temer

Rodrigo Rocha Loures ao lado de Michel Temer
Na peça de defesa, o ex-deputado afirma que recebeu a mala do delator Ricardo Saud, ex-executivo da J&F, “sem saber qual era seu conteúdo” e disse que “desconhecia quaisquer acertos, pagamentos e condições” relacionados à mala. Mas as filmagens da Polícia Federal mostram o contrário do que diz o deputado.

Um ano depois de ser flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil reais, o ex-deputado federal e ex-assessor especial do presidente Michel Temer (MDB), Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR), o “Rodriguinho da Mala”, segue tentando negar o inegável. Rodrigo disse que “não sabia que tinha dinheiro na mala que carregava”, que não “sabia dos R$ 500 mil”. O curioso é que “mesmo sem saber do tal dinheiro”, Loures chegou a pegar R$ 35 mil dos valores que estavam na mala.

Em petição de 49 páginas encaminhada em fevereiro à Justiça Federal de Brasília e obtida com exclusividade pelo jornal O Globo, Rocha Loures alegou não saber que havia dinheiro na famosa mala com R$ 500 mil filmada em ação controlada da Operação Patmos, no dia 28 de abril de 2017, em São Paulo. O ex-deputado chegou a ser preso no episódio, em junho de 2017, após as delações premiadas de executivos da JBS virem à tona.

Na peça de defesa, o ex-deputado afirma que recebeu a mala do delator Ricardo Saud, ex-executivo da J&F, “sem saber qual era seu conteúdo” e disse que “desconhecia quaisquer acertos, pagamentos e condições” relacionados à mala.

Mas gravações feitas pela Polícia Federal indicam o contrário. Em uma das conversas gravadas por Saud antes de se encontrar com Rocha Loures em uma pizzaria para entregar a mala de dinheiro, o delator afirma: “Você, por ter nos ajudado, já tem quinhentos mil guardadinho. Tá guardado comigo em casa e eu não quero ficar.” Loures responde, de acordo com a transcrição da PF: “Tá.”

Na denúncia apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado, a Procuradoria-Geral da República (PGR) acusou Loures de ser um “longa manus” de Temer, que teria encarregado o ex-assessor apenas de buscar a mala e entregá-la a seu destinatário final, o presidente da República. Temer chegou a ser acusado de corrupção passiva no caso, mas livrou-se de responder ao processo, pelo menos até dezembro de 2018, após a Câmara rejeitar a denúncia da PGR.

Rocha Loures defendeu Temer no documento, afirmando que não houve comprovação de que a mala seria para o peemedebista. “O simples fato de Rodrigo ter exercido a posição de assessoria do presidente não caracteriza concretamente o acerto de vontades para o cometimento de ilícitos. Afinal, a presidência da República conta com diversos assessores, sendo pouco razoável presumir que, ao exercer um cargo próximo ao chefe do Executivo, esses profissionais estão automaticamente anuindo com toda e qualquer ação do presidente da República”, diz a defesa.

Rocha Loures se tornou réu do caso em dezembro do ano passado, quando o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, aceitou o recebimento da denúncia. A defesa dele pede que sejam anuladas as provas da Operação Patmos, argumentando que as interceptações telefônicas e a ação controlada foram ilegais, e que Loures seja absolvido sumariamente.

(As informações são dos Jornais O Globo e Gazeta do Povo)

Fotos-rocha-loures-k2jE-U201994550053XWG-1024x496@GP-Web-825x550

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s