Ministério Público pede cassação das candidaturas de Cida Borghetti e Beto Richa

beto-cida
O Ministério Público Federal afirmou que Beto Richa fez propaganda pessoal, com a ajuda de Cida Borghetti, pensando nas eleições.

O Ministério Público Federal (MPF) pediu a abertura de Ação de Investigação Judicial Eleitoral contra os candidatos Cida Borghetti (PP) e Beto Richa (PSDB). Também são alvos do pedido o prefeito de Curitiba Rafael Greca (PMN), a prefeita de Fernandes Pinheiro, Cleonice Schuck, o candidato a vice-governador na chapa de Cida, Coronel Malucelli (PMN) e os suplentes de Richa, Nelson Padovani (PSDB) e Maria Iraclesia (PSDB).

Segundo a procuradoria, Beto Richa aproveitou que era governador do Paraná para aprovar emendas parlamentares apenas para sua base aliada, visando o apoio deles para as eleições de 2018. Além disso, o Ministério Público Federal afirmou que Richa fez propaganda pessoal, com a ajuda de Cida Borghetti, pensando nas eleições.

De acordo com a Procuradoria, Richa foi convidado por Cida para participar de dez eventos oficiais de governo, embora já tivesse deixado o cargo para concorrer ao Senado. Para a procuradora Eloísa Helena Machado, isso configura abuso do poder político.
Segundo ela, “além de realizar a promoção pessoal” de Beto Richa nos eventos, a governadora Cida “buscou se beneficiar com o prestígio conquistado pelo candidato durante sua gestão”.

Cida Borghetti, Rafael Greca e Cleonice Schuck, segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, beneficiaram Beto Richa ao divulgar obras estaduais feitas após ele deixar o Executivo como se fossem de sua autoria.

Essas práticas configuram abuso do poder de autoridade em benefício de candidato, destacou o MPF. Por isso, os procuradores pediram que Richa e Cida tenham seus registros de candidatura cassados. A procuradoria ainda requereu a inelegibilidade por oito anos dos dois e de Rafael Greca e Cleonice Schuck.

O outro lado:

Beto Richa

Em nota, a campanha de Richa informou que a ação da Procuradoria “não tem cabimento, pois eram eventos públicos anteriores ao período eleitoral nos quais o ex-governador Beto Richa foi convidado e neles não praticou qualquer ato administrativo”.

Cida Borghetti

A assessoria de imprensa da governadora, Cida Borghetti, relatou que não houve “qualquer atuação em benefício da candidatura do ex-governador”, já que, à época, ambos não eram candidatos ainda. “A presença em eventos pontuais e públicos não teve finalidade eleitoral. Os devidos esclarecimentos serão prestados após a notificação, visando demonstrar a improcedência da ação”.

(Com informações dos jornais Gazeta do Povo e  O Globo)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s