Em vídeo, Rangel evita falar sobre prisão do presidente da AMTT: Gaeco investiga corrupção no Estar Digital

Conforme o Gaeco, há indícios de irregularidades na contratação de uma empresa pela Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes do Município (AMTT) para implantação do Estar Digital. (Foto:PMPG)

Em vídeo publicado em seu Facebook, o prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel (PSDB), evitou falar a respeito da prisão do presidente da Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes (AMTT), Roberto Pelissari, pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), nesta terça-feira (15). Rangel também não comentou a busca e apreensão feita no gabinete do seu tio, Ricardo Linhares, que é secretário de Administração e Recursos Humanos.

Linhares recebeu em sua casa a visita do Gaeco, na manhã desta terça-feira (15), depois foi conduzido pelo Gaeco da sua casa até a Prefeitura de Ponta Grossa.  A situação chamou a atenção dos funcionários da prefeitura, que gravaram vários vídeos sobre isso. Mesmo assim, prefeito apenas mencionou a prisão de vereadores e disse que “vai colaborar com as investigações”. Até o momento o prefeito não falou sobre as buscas do Gaeco no gabinete de Ricardo Linhares e também nada disse sobre a prisão do presidente da AMTT, Roberto Pelissari.

No vídeo, Rangel fala de vários assuntos, mas evita se aprofundar na operação do Gaeco, que é destaque em todo o estado. (Veja o vídeo: (4) Marcelo Rangel — Publicações | Facebook)

De acordo com o Ministério Público (MP), a operação chamada de Saturno investiga possíveis crimes de corrupção ativa e passiva, fraude a licitação e tráfico de influência. Há indícios de irregularidades na contratação de uma empresa pela Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes do Município (AMTT) para implantação do Estar Digital e para a compra de software pela Companhia de Habitação de Ponta Grossa (Prolar), entre os anos de 2016 e 2020. Além disso, o MP investiga possível prática de manipulação e corrupção de vereadores em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada para apurar as licitações.

Os alvos dos cinco mandados de prisão preventiva são quatro empresários e o vereador Valtão (PRTB), relator da CPI. Já as prisões temporárias foram decretadas contra o presidente da AMTT, Roberto Pelissari, e contra o parlamentar Ricardo Zampieri (Republicanos), presidente da CPI. Os empresários estão ligados à empresa que venceu a licitação para operar o Estar Digital em Ponta Grossa, a Cidatec.

A Prefeitura de Ponta Grossa encaminhou a seguinte nota:

A Prefeitura Municipal de Ponta Grossa informa que apoia a ação legítima de investigação do GAECO e forneceu toda a documentação solicitada até o momento.
A Prefeitura informa ainda que já havia entregue toda documentação solicitada referente ao processo licitatório do Estar Digital ao Ministério Público, no qual já foi arquivado, ao Tribunal de Contas do Estado do Paraná e à CPI da Câmara de Vereadores de Ponta Grossa.
No momento, a Prefeitura aguarda andamento da operação, ficando à disposição para esclarecimentos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s