“Ratinho teve nosso apoio na eleição, esperamos reciprocidade”, diz Alvaro Dias

Alvaro Dias (Podemos-PR) acredita no apoio do governador Ratinho Junior (PSD) para disputar à reeleição ao Senado.

O senador Alvaro Dias (Podemos-PR) disse à Rádio Clube e ao Blog da Mareli Martins, nesta quarta-feira (6), que espera contar com o apoio do governador Ratinho Junior (PSD) para disputar a reeleição ao Senado. (Ouça a matéria completa no final do texto)

“Uma coligação é reciprocidade de apoio. Nós estivemos com o Ratinho Junior na eleição de 2018 e continuamos com aliança, incluindo todos os senadores do Paraná. Então o que se espera é que exista essa reciprocidade de apoio. Mas vamos aguardar o comunicado oficial nas convenções”, afirmou Alvao Dias.

Alvaro Dias disse que deve concorrer à reeleição seguindo os resultados de pesquisa de opinião, que apontam sua liderança na disputa.

“Todas as pesquisas de opinião mostram a nossa liderança e eu sou muito grato à população do Paraná. Sempre tive expressiva votação e só tenho a agradecer. Não serei candidato sozinho, existe uma convocação do Paraná para que eu continue no Senado”, destacou.

Mas ocorre que recentemente uma pesquisa contratada pelo Grupo RIC apontou a liderança do ex-juiz da Lava Jato e ex-ministro da Justiça do governo Bolsonaro, Sérgio Moro (União Brasil).

“Existe pesquisa honesta e existe pesquisa desonesta. Mas todas as pesquisas apontam nossa liderança, somente teve só essa exceção, mas não vou discutir pesquisa”, disse Alvaro Dias sobre a pesquisa do Grupo RIC.

Dados do registro da pesquisa do Grupo RIC

A pesquisa foi contratada pelo Grupo RIC, realizada pela Real Time Big Data e registrada sob o número PR-06518/2022. Os dados foram coletados na modalidade quantitativa telefônica. Ao todo, 1.500 paranaenses, eleitores com mais de 16 anos, foram entrevistados, entre 24 e 25 de junho deste ano. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.

Alvaro Dias evitou críticas ao presidente Bolsonaro

Alvaro Dias evitou fazer críticas ao governo Bolsonaro e fez uma avaliação neutra.

“É um governo polêmico, com produção de um lado e rejeição de outro e isso faz parte do estilo do presidente. Acho que vivemos um momento difícil de pandemia e as reformas acabaram não ocorrendo, mas o governo teve acertos e erros e acredito que cabe a população avaliar agora. Não me cabe ser radical nessa hora, tenho que contribuir para a pacificação “.

Alvaro Dias também ficou neutro sobre a polarização entre Bolsonaro (PL) e Lula (PT).

“Temos que aguardar a conclusão do primeiro turno, sem se manifestar de forma precipitada.  Mas essa polarização tem prazo de validade, acredito que dura mais quatro anos e vai acabar. O Podemos ainda não definiu a posição para o primeiro turno das eleições. E qualquer posição sobre um possível segundo turno seria precipitado falar agora”, afirmou.

CPI do MEC

Os três senadores do Paraná, Alvaro Dias, Oriovisto Guimarães e Flávio Arns, todos do Podemos, não assinaram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as denúncias que envolvem o ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, que foi preso por suspeita de fraude e tráfico de influência envolvendo o Ministério da Educação e Cultura (MEC).

Alvaro Dias disse que  concordar com a CPI nesse momento, seria oportunismo eleitoreiro.

“Nós não assinamos a CPI do MEC pelo período eleitoral, vamos entrar em recesso e voltamos em agosto quando começa a campanha. Essa CPI agora seria oportunismo eleitoreiro. Além disso, as investigações estão avançando no Ministério Público, na Polícia Federal, o STF se envolveu também. A CPI seria interessante para provocar o judiciário a investigar, mas o que ocorre é que as investigações já estão avançando. Essa CPI além de eleitoreira, seria um fracasso, os candidatos não poderiam participar”.

Pedágios no Paraná

Senador Alvaro Dias sugere que o Governo do Paraná assuma os pedágios

Alvaro Dias disse que diante das incertezas do novo modelo de pedágio, a solução é que Governo do Paraná assuma o modelo de pedágio, por meio do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER) e não realize a licitação para novas concessões.

“Diante dessas incertezas em relação ao modelo de pedágio, tenho uma sugestão ao governador Ratinho Junior, no momento, mas também aos demais concorrentes, de que o governo do estado assuma a responsabilidade dos pedágios e não faça a licitação para a concessão. Ou seja, o próprio estado assumiria os pedágios, por meio da administração do DERNesse caso, com tarifa apenas para manutenção dos pedágios, seria uma tarifa baixa. Nessa sugestão, o próprio estado administraria e o DER cobraria apenas o suficiente para manutenção. Teria que fazer uma avaliação de quanto precisaria para fazer isso”, sugeriu Alvaro Dias.

O senador Alvaro Dias disse que o momento é importante para que o Estado exija do Governo Federal, na sequência, um modelo que traga benefícios ao Paraná.

“Participei de discussões com o ex-ministro Tarcício, com o presidente Bolsonaro e entendo que o modelo precisa ser adequado ao Paraná. O momento é importante para que o Estado cobre do governo federal um modelo que traga benefícios ao Paraná. Esse assunto não pode ser tratado de forma eleitoreira, pois os custos do pedágio afetaram toda a cadeia produtiva. Mas não posso fazer criticas ao modelo porque ainda não está finalizado, seria precipitado criticar. No momento a minha sugestão é essa que o governo do estado assuma os pedágios por meio do DER”, afirmou Alvaro Dias.

O modelo foi apresentando ao governador Ratinho Junior (PSD) pelo ex-ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, que atualmente é pré-candidato ao governo de São Paulo. O modelo também foi apresentado ao ex-secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná, Sandro Alex (PSD), que retornou à Câmara Federal na busca da reeleição.

O governador Ratinho Junior prometeu mais obras, transparência e redução de 50 % nas tarifas na próxima licitação.

Mas recentemente estudos apontados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) mostram aumento de 23% nas tarifas do lote 2, antes mesmo da licitação, devido aos custos. Leia: https://marelimartins.com.br/2022/06/10/tarifas-de-pedagio-podem-subir-23-no-parana-antes-da-nova-concessao-diz-antt/

Ou seja, os valores serão revisados e dos demais lotes também. Esse aumento refere-se apenas ao período de 2020 a 2022.

Recentemente em visita à cidade de Toledo, Ratinho Junior disse ao jornal O Paraná que “se o modelo não for bom, não vai assinar a delegação das rodovias para a União”.

Mas vale destacar que o governador já conhece o modelo proposto pelo Governo Federal, pois esteve presente nas discussões e teve o modelo apresentado ao seu governo, pelo ex-ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas.

OUÇA A ENTREVISTA COMPLETA DO SENADOR ALVARO DIAS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s