Aliel defende afastamento de Temer para investigação e Sandro segue “no muro”

M
Aliel Machado é “Fora Temer” e Sandro Alex ainda não se posicionou.

A Câmara Federal poderá votar nesta quarta-feira (2) o processo da denúncia de corrupção passiva do presidente Michel Temer (PMDB). A sessão é destinada à votação do parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que pede o arquivamento do caso. Para que Temer seja afastado são necessários 342 votos dos 513 deputados.

Os deputados ponta-grossenses Aliel Machado (Rede) e Sandro Alex (PSD) conversaram nesta quarta-feira (2) com a Rádio T e o Blog da Mareli Martins.

Para Aliel Machado, não há dúvidas em relação ao afastamento e a investigação de Temer. “O governo continua fazendo acordos e comprando deputados e fazendo isso contra a vontade da população. Uma nova pesquisa mostra que mais de 90% da população quer a continuidade da investigação. E o meu voto já é do conhecimento de todos e será pela investigação de Temer. Deixar o Temer dando continuidade ao esquema de corrupção e retirando direitos dos trabalhadores é um equívoco”, disse.

Por outro lado, o deputado Sandro Alex, presidente do PSD no Paraná, segue indeciso. “A discussão principal é se o Brasil resiste ao afastamento do presidente por até 180 dias, diante do quadro de crise política. Essa é maior discussão que eu tenho. E outro ponto que discuto são os benefícios que a JBS recebeu depois de ter cometido tantos crimes”, afirmou.

Outro impasse para Sandro Alex é o fato de que o PSD fechou questão e deverá votar contra a denúncia, ou seja, estão ao lado do presidente. Porém, o líder da bancada, Marcos Montes (MG) disse que a bancada não pretende punir deputados que não seguirem a orientação, mas ponderou que essa será uma decisão da executiva do partido.

A posição dos partidos

Dos dez partidos com maior representação na Câmara dos Deputados, cinco (PMDB, PP, PR, PSD e PRB, que totalizam 208 deputados) decidiram orientar seus deputados a votar pela rejeição da denúncia contra o presidente Michel Temer.

Entre as maiores legendas da Casa, duas (PT e PDT, com 77 deputados, no total) vão recomendar voto pela continuidade do processo.

Líderes de outras duas siglas (PSB e DEM, 65 deputados) ainda não tinham fecharam um posicionamento.

Por fim, uma bancada (PSDB, 46 deputados) vai liberar seus parlamentares para votarem como quiserem sobre o andamento do processo.

PMDB (63 deputados) – O líder da bancada, Baleia Rossi (SP), orientará os colegas para que votem contra a denúncia. Ou seja, vai recomendar que os deputados do PMDB votem a favor do relatório da CCJ, pela rejeição do andamento do processo. O PMDB fechou questão contra a denúncia. Com a decisão, deputados que contrariarem a orientação do partido poderão ser punidos. O presidente do partido, senador Romero Jucá (RR) disse na terça (1º) que haverá “consequências” para membros do partido que votarem a favor da denúncia.

PT (58 deputados) – Segundo o líder Carlos Zarattini (SP), o partido fechou questão a favor do andamento da denúncia e a orientação da bancada será no mesmo sentido. “Quem se ausentar ou votar diferente da decisão, vai ter algum tipo de punição”, disse.
PP (47 deputados) – O partido fechou questão contra o andamento da denúncia. Segundo o líder da sigla, Arthur Lira (AL), ainda não há definição sobre possíveis punições aos deputados dissidentes. “A punição é uma questão que será avaliada após a votação”, afirmou.

PSDB (46 deputados) – Segundo informou a assessoria de imprensa da liderança do PSDB, a orientação será pela liberação da bancada. Sigla importante da base aliada, com quatro ministérios sob seu comando, o PSDB está com a bancada dividida. Uma ala do partido defende o rompimento da aliança com o governo.
PR (38 deputados) – O partido fechou questão contra a denúncia. De acordo com o líder da sigla, José Rocha (BA), a decisão será mantida em plenário, mas a punição para os dissidentes ainda não foi definida.

PSD (37 deputados) – Foi decidido o fechamento de questão contra a denúncia. O líder da bancada, Marcos Montes (MG) disse que a bancada não pretende punir deputados que não seguirem a orientação, mas ponderou que essa será uma decisão da executiva do partido.

PSB (36 deputados) – A posição da liderança estava indefinida, pendente de reuniões com os deputados do partido. Apesar de orientação da cúpula do PSB de que a denúncia seja autorizada, a bancada do partido está dividida.

DEM (29 deputados) – O partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), também ainda não havia definido como seria a orientação. O líder do partido, Efraim Filho (PB), disse que a maioria dos votos deve ser pela rejeição da denúncia, mas ponderou que eventuais divergências serão respeitadas.

PRB (23 deputados) – O partido fechou questão contra a denúncia, mas não deve ter punição para dissidentes, informou o líder Cleber Verde (MA). “O espírito de ajudar o governo há de prevalecer”, afirmou.

PDT (19 deputados) – Fechou questão a favor do andamento da denúncia. O líder Weverton Rocha (MA) lembrou que a legenda tem optado por expulsar membros que desrespeitam as decisões partidárias. Em abril, o presidente do partido, Carlos Lupi, anunciou a expulsão do deputado Carlos Eduardo Cadoca (PE) por ter votado a favor da reforma trabalhista, contrariando a orientação do PDT. O deputado, entretanto, segue no partido.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s