Justiça suspende contrato entre Detran e Infosolo por fraudes na licitação

detran 1

Chama atenção o fato do governo de Ratinho Junior (PSD) ter mantido o contrato com a Infosolo diante de uma investigação de crimes graves supostamente cometidos pela empresa, sócios e ex-funcionários públicos. (Foto: AEN)

A 2ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba determinou liminarmente a suspensão do contrato da empresa Infosolo Informática com o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran). A decisão atende pedido formulado pelo Ministério Público do Paraná em ação ajuizada por meio do núcleo de Curitiba do Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria).

De acordo com a ação, a Infosolo Informática foi favorecida em procedimento de credenciamento com evidências de fraude. No curso das investigações, realizadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) na Operação Taxa Alta, que contou com interceptação telefônica, quebra de dados telemáticos e cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão, foram coletadas provas do cometimento de “diversos ilícitos com vistas a conferir vantagens econômicas em benefício da referida sociedade empresária no procedimento de credenciamento”.

Apesar de ser investigada por diversos crimes, como fraude à licitação, a Infosolo voltou a prestar serviços ao Governo do Paraná, em maio de 2020, após entrar com ação judicial. A empresa é suspeita de fraudar a licitação que escolheu as empresas que prestam esse serviço ao Detran.

Chama atenção o fato do governo de Ratinho Junior (PSD) ter mantido o contrato com a Infosolo diante de uma investigação de crimes graves supostamente cometidos pela empresa, sócios e ex-funcionários públicos.

A determinação de suspensão do contrato da Infosolo e o Detran foi um pedido do Ministério Público e do Gaeco, quando poderia ter partido do próprio governador, diante de graves irregularidades que já foram comprovados pelo Gaeco, que agora segue o processo investigatório para que os culpados sejam responsabilizados.

As ilegalidades

Entre as ilegalidades levantadas, as investigações constataram que a própria empresa foi encarregada de elaborar o edital de licitação, evitando incluir itens que a prejudicassem e inserindo outros que a favoreciam na obtenção de mais contratos. Além disso, ela própria indicou a pessoa que julgaria os pedidos de credenciamento (pela magnitude do contrato, diversas outras empresas foram credenciadas, além dela) e estabeleceu os valores da licitação, que resultaram em custos superfaturados para os usuários do serviço no Detran. Tal manobra possibilitou à empresa ganhos de R$ 79.244.753,39 (em valores atualizados até maio).

Na análise do mérito da ação, o MPPR requer, entre outras medidas, a declaração de nulidade dos contratos de credenciamento, a condenação da empresa ao pagamento de multa equivalente a 10% de seu faturamento anual e o perdimento de 79.244.753,39 em bens, direitos e valores que representem vantagem e proveito diretamente obtidos da infração, conforme previsto na Lei 12.846/2013.

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s