Crônica: O vento que passa, esse ficou

“Tudo se foi, tudo se perdeu. Entretanto, ainda há o beijo do vento, o vento de hoje é o vento daquela infância, o vento da rua XV”, escreveu Cheres. (Foto: PMPG)

A crônica desta sexta-feira (20) é da autoria de Luiz Fernando Cheres. No texto ‘O vento que passa, esse ficou’, Cheres relembra a cidade de Ponta Grossa de antigamente e compara com os tempos atuais. Mas mesmo com o passar do tempo, um personagem não mudou e continua presente, o vento. Em especial o vento da Rua XV de novembro.

“Tudo se foi, tudo se perdeu. Entretanto, ainda há o beijo do vento, o vento de hoje é o vento daquela infância. Então vou a um boteco, e não compro doces, não bebo; apenas bebo o vento da rua XV”, escreveu Cheres.

As crônicas vão ao ar todas as sextas, durante o Jornal Falado, das 12h às 13h, na Rádio Clube 94,1 FM e em parceria com o Blog da Mareli Martins. A interpretação é da jornalista Mareli Martins e a edição é de John Elvis Ribas Ramalho Junior.

NFORMAÇÕES SOBRE A CRÔNICA

Título:  O vento que passa, esse ficou.

Autoria: Luiz Fernando Cheres (funcionário aposentado da Caixa Econômica Federal, membro da Academia de Letras dos Campos Gerais)

Interpretação: Mareli Martins

Edição: John Elvis Ribas Ramalho Junior

Trilha musical de fundo:  Samuel Orson – Frank’s Adventure

 Trilha musical Final:  O vento vai responder (composição: Bob Dylan, interpretação: Zé Ramalho

 CLIQUE NO LINK PARA OUVIR A CRÔNICA

CLIQUE NO LINK PARA OUVIR TODAS AS CRÔNICAS

https://marelimartins.com.br/category/cronicas/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s